quarta-feira, 21 de outubro de 2015

Alimentos funcionais para cães e gatos

Fernanda Malinoski , Daniele Cristina de Lima 
Laboratório de Estudos em Nutrição Canina – Universidade Federal do Paraná

Uma pesquisa realizada pela Comissão de Animais de Companhia (Comac, 2010) mostrou que 44% dos lares brasileiros possuem pelo menos um gato ou um cachorro. Com isso o número de donos que se preocupam com a alimentação do seu pet também aumentou nos últimos anos.  Hoje a indústria pet tem pesquisado e formulado alimentos que atendam as diversas necessidades dos animais. 


Dentro destas formulações existem microrganismos ou substâncias utilizadas em pequenas quantidades que podem ter funções de suplementação nutricional, aumento do tempo de prateleira do produto, melhorar o aspecto do alimento (textura, cor e sabor) e também na melhoria da saúde, bem estar e longevidade dos animais. Estas substâncias/microrganismos são conhecidas como “aditivos”. Porém há um grupo dentre os aditivos que vem sendo muito estudado ultimamente, que são substâncias reconhecidas como “alimentos funcionais”, que auxiliam na saúde e qualidade de vida do animal. No decorrer deste artigo iremos apresentar quais os principais focos na utilização destes alimentos funcionais em dietas completas comercias para cães e gatos e discutir seus efeitos benéficos. 

Alimentos funcionais utilizados nas dietas comerciais para cães e gatos

Os alimentos funcionais além de funções nutricionais básicas produzem efeitos fisiológicos e/ou benéficos à saúde, devendo ser seguros para o consumo, ou seja, são substancias utilizadas para influir positivamente na saúde e qualidade de vida  do animal. A figura 1 mostra quais são os principais focos na utilização destas substancias em alimentos completos para cães adultos , e na figura 2 para gatos adultos.

Figura 1: Alimentos funcionais mais utilizados em dietas comerciais para cães adultos (avaliação de 64 alimentos completos para cães vendidos no Brasil)

Figura 2: Alimentos funcionais mais utilizados em dietas comercias para gatos adultos
(avaliação de 52 alimentos completos para gatos vendidos no Brasil)
Com o aumento da longevidade de cães e gatos houve também um aumento da preocupação em proporcionar uma melhor qualidade de vida a estes animais. Existem alguns fatores associados com o ambiente, a genética e o estresse oxidativo que estão ligados a doenças relacionadas à idade. Esta apreensão levou a indústria pet a investir em alimentos que reduzissem todos os efeitos dos fatores citados acima. Com base nisto podemos observar nos dois gráficos uma alta porcentagem de alimentos comerciais que utilizam os ômegas 6:3, antioxidantes e imunomoduladores.

Os antioxidantes e imunomoduladores mais utilizados em alimentos para cães e gatos são as vitaminas E (antioxidante predominante nas membranas celulares), C (restauradora da vitamina E por meio da redução de radicais tocoferoxil), A e os carotenóides (potentes sequestrantes de oxigênio singlet) e o selênio (componente da glutationa peroxidase). Mas também está sendo crescente os estudos e a utilização de licopeno, algas marinhas e de polifenóis do extrato de uva e chá-verde (Camellia sinensis). 

O ômega 3 e 6 são dois tipos de gorduras poli-insaturadas conhecidas como gorduras 'essenciais' para a saúde. Os ômegas 3 e 6, contribuem para a saúde do  coração contribuindo para manter o sistema cardiovascular fluindo como deve ser. Ou seja mantendo o equilibro correto  entre a série ômega 6 e 3, irão apresentar um efeito anti-inflamatório e imunomodular no animal. 

Promotores da saúde intestinal e das características fecais, saúde oral, agentes condroprotedores e perda de peso também vêm ganhando a atenção de especialistas. Todos estes elementos estão fortemente ligados a longevidade e qualidade da saúde animal. 

Saúde Oral 

Um alerta em relação à saúde oral dos pets. Cerca de 80% dos cães e gatos podem apresentar doença periodontal a partir dos três anos de idade. Esta doença além de causar o mau hálito, também podem prejudicar a saúde de cães e gatos. As bactérias presentes na cavidade oral podem causar infecções nos demais órgãos. Entre as bactérias que causam periodontites, a Porphyromonas gingivalis é a espécie reconhecida como a principal causadora deste problema. 

Os efeitos dos coadjuvantes de saúde bucal apresentam ação mecânica ou química. A retirada da placa pela ação mecânica é reconhecida como um dos mecanismos mais poderosos e pode ser feita por meio de tecidos e fibras animais, como o colágeno e couro, utilizados em petiscos que exijam a mastigação prolongada pelo animal. A modificação na forma e dureza do extrusado pode promover também essa remoção mecânica. No entanto, comparando com os tecidos e fibras de animais os extrusados apresentam uma menor eficiência. 

Já o controle químico da placa dentária pode ser feito por meio de substâncias antimicrobianas, como a clorexidina e enzimas ou por agentes quelantes de cálcio, (sequestram o cálcio) como os polifosfatos de sódio, sendo o mais utilizado o hexametafosfato de sódio. O processo de quelação do cálcio na saliva pode reduzir a disponibilidade desse mineral para a mineralização da placa como cálculo. Assim, pode ocorrer redução de até 80% do cálculo em cães recebendo um petisco com 0,6% de hexametasfosfato de sódio ao dia.

Saúde intestinal e características fecais

A saúde intestinal esta relacionado com as características fecais e atualmente esta sendo muito relevante na hora da escolha da ração do seu pet. As características desejáveis para as fezes são a consistência e o odor minimizado. Não tem como falar de características fecais e promotores de saúde intestinal e não falar de prebióticos e probióticos, pois estão conectados com o tema.

Os prebióticos além de promoverem a saúde intestinal,  apresentam um efeito imunomodulador e melhoram as características fecais dos animais. Estas substancias não são hidrolisados no intestino delgado, sendo fermentadas pela microbiota do intestino grosso chegando a produzir ácidos graxos de cadeia curta, lactato e gases que irão resultar numa diminuição do pH do intestino. Com o efeito desta acidez intestinal irá ocorrer um crescimento dos microrganismos que são considerados benéficos como por exemplo o Lactobacillus sp  e a diminuição dos migroorganismos patógenos como a Salmonella sp . Os prebióticos mais utilizados em dietas para cães e gatos são o frutoligossacarídeos (FOS) e o mananoligossacarídeos (MOS). 

Probióticos são microorganismos benéficos adicionado vivos à dieta, influenciando positivamente a saúde intestinal. Os probióticos podem inibir o desenvolvimento de bactérias patogênicas pela competição por nutrientes e por sítios de ligação no epitélio intestinal; estímulo do sistema imune do organismo; produção de substâncias antimicrobianas e acidificação intestinal, por meio da produção de ácidos, principalmente láctico. Além disso, os probióticos sintetizam vitaminas, enzimas e ácidos graxos de cadeia curta (AGCC), os quais podem apresentar efeitos benéficos aos animais.

Existem ainda os aluminossilicatos que são argilas considerados sais minerais insolúveis. A zeólita é a argila mais utilizada em alimentos para cães e gatos. A capacidade adsorvente destas substâncias (0,5 a 0,7 kg de água/kg de argila) é devida à sua molécula aberta que possui o sódio (Na+) como cátion predominante. Essa propriedade melhora a consistência das fezes, reduz a motilidade intestinal, limita o desenvolvimento da microbiota intestinal e adsorve substâncias tóxicas que causam o mau odor das fezes de cães e gatos.
Finalizando esta parte sobre as características fecais e promotores de saúde intestinal tem-se a planta Yucca Schidigera que pertencente a família Agavaceae,de regiões de deserto. O seu extrato é adicionado aos alimentos comerciais para cães e gatos com a intenção de reduzir o mau odor das fezes desses animais, sendo o aditivo mais utilizado com essa finalidade em alimentos para cães (42,2% dos alimentos) e gatos (43,4%) adultos. Os mecanismos de redução no odor fecal pela Yucca Schidigera ainda não estão bem estabelecidos, mas são atribuídos, principalmente, às saponinas, glicosídeos presentes em alta concentração na planta.

Agentes Condroprotetores

Estes agentes são substancias que podem proteger as cartilagens durante o curso de doenças destrutivas articulares. Especificamente em cães de porte grande/gigante problemas osteoarticulares, são comuns com a idade avançada. Incomodo muito comum em raças como Labrador, São Bernardo, Pastor Alemão entre outros. O uso de glicosamina e sulfato de condroitina pode estimular a regeneração articular em animais afetados ou prevenir em animais propensos. A glicosamina é um aminomonossacarideo presente nas cartilagens articulares, que é precursora de proteoglicanas. O sulfato de condroitina é uma glicosaminoglicana sulfatada que compõe as proteoglicanas presentes nas cartilagens. A suplementação de glicosamina e sulfato de condroitina na dose de 1000-1500 mg/animal/dia pode diminuir a dor e melhorar a condição clínica geral de cães com problemas ósteoarticulares. 

Reguladores do peso

A obesidade é um problema global crescente em animais de companhia e está associada com aumento do risco de doenças como diabetes mellitus, osteoartrite, neoplasias e doenças cardiorespiratórias e de mortalidade. A obesidade  atinge entre 22 a 40% da população dos pets. Para combater este mal a utilização de aditivos como a L-carnitina e o ácido linoleico conjugado (CLA) tem mostrado resultados positivos associados a uma formulação de dieta de alta quantidade de proteína e fibra e baixa energia para cães e gatos com sobrepeso e obesos.

A L-carnitina é um aminoácido sintetizado no fígado e rins a partir da metionina e lisina na presença de ascorbato. É responsável pelo transporte de ácidos graxos de cadeia longa para o interior da mitocôndria para sofrerem o processo de beta-oxidação, produzindo energia. Com isso pode auxiliar no aumento do tecido magro e na redução do tecido adiposo por aumentar a oxidação de ácidos graxos de cadeia longa e disponibilizar energia para a síntese proteica. Portanto, além da aceleração da queima de gordura para animais com sobrepeso, pode aumentar o desempenho de animais atletas e a saúde cardíaca, por disponibilizar mais energia ao miocárdio. A única questão é que a l- carnitina não é tão eficiente em animais que não fazem exercícios físicos. 

O CLA é uma mistura de isômeros posicionais e geométricos. Ele tem mostrado ser efetivo suplemento para reduzir o tecido adiposo, aumentando o gasto de energia. Os possíveis mecanismos de redução na deposição de tecido adiposo pelo CLA seriam: inibição da enzima estearoil-CoA dessaturase, limitando a síntese de ácidos graxos monoinsaturados; aumento do gasto energético e inibição da lipoproteína lipase nos adipócitos. O CLA ainda tem demonstrado aumentar o HDL circulante, apresentar efeitos imunomoduladores em cães e ter efeito anticarcinogênico.

Considerações Finais

Falamos sobre alguns elementos que são focos para aumentar a longevidade e a qualidade dos nossos animais, mostrando que a indústria atualmente tem investido nesta área de bem estar e qualidade de vida. Mas sabemos que mais estudos precisam ser realizados a fim de se estabelecer os níveis funcionais de inclusão desses aditivos nos alimentos comerciais e maior esclarecimento do modo de ação dos mesmos no organismo dos animais.  Com isso fica sobre a nossa responsabilidade oferecer a melhor dieta que supra as deficiências do nosso pet e melhore ao máximo a sua saúde e qualidade de vida.


Referências 
BELAY, A. The Potential Application of Spirulina (Arthrospira) as a Nutritional and Therapeutic Supplement in Health Management. The Journal of the American Nutraceutical Association. V.5, n.2, p.27-48, 2002.
BENYACOUB, J. et al. Supplementation of food with Enterococcus faecium (SF68) stimulates immune function in young dogs. Journal of Nutrition. v. 133, p.1158-1162, 2003. 
BEYNEN, A.C. Nutraceuticals: Claims vs. evidence In: PRODUCTION SYMPOSIUM TRADE SHOW - PET FOOD FORUM. 2003. Anais... Chicago: Illinois, p.169-175, 2003.
BIOURGE, V. et al. The use of probiotics in the diet of dogs. The Journal of Nutrition, v.128, n.12, p.2730-2732, 1998. 
Blanchard, G., Nguyen, P., Gayet, C., Leriche, I., Siliart, B., Paragon, B. Rapid weight loss with a high-protein low-energy diet allows the recovery of ideal body composition and insulin sensitivity in obese dogs. J. Nutr. 134: 2148S–2150S, 2004. 
Boermans, H.J., Leung, M.C.K. Mycotoxins and the pet food industry: Toxicological evidence and risk assessment. International Journal of Food Microbiology. 119, 95-102, 2007. 
Bramoullé, L. 2007. How evaluate dry kibbles coating quality while using dry palatability enhancers?. In: SPF’S IInd AMERICA LATINA SYMPOSIUM, 2007. Proceedings of Spécialités Pet Food. p.15-17.
BRISDELLI, F., D’ANDREA, G., BOZZI, A. Resveratrol: A Natural Polyphenol with Multiple Chemopreventive Properties. Current Drug Metabolism, 2009, 10, 530-546.
Center, S.A., Harte, J., Watrous, D., Reynolds, A., Watson, T.D.G., Markwell, P.J., Millington, D.S., Wood, P.A., Yeager, A.E., Erb, H.N. The clinical and metabolic effects of rapid weight loss in obese pet cats and the influence of supplemental oral l-carnitine. Journal of Veterinary Internal Medicine, v.14, 598-608, 2000.
CHEEKE, P.R. Actual and potential applications of Yucca schidigera and Quillaja saponaria saponins in human and animal nutrition. Recent Advances in Animal Nutrition in Australia, 13, 115-126, 2001.
Cupp CJ, Jean-Philippe C, Kerr WW, et al. Effect of nutritional interventions on longevity of senior cats. Intern J Appl Res Vet Med. 2006;4(1):34-50.
Deni̇z, A.; Uysal, H.; Kardeş, S.; Kirmizi, E. Effects of the exercise on the performance and the plasma biochemical values of German Shepherd dogs fed with high fat diet supported with L-carnitine. Ankara Universitesi Veteriner Fakultesi Dergisi 2000 Vol. 47 No. 2 pp. 223-235
Dzanis, D. A. (1991) Safety of ethoxyquin in dog foods. J. Nutr. 121:5163-5164.
Food and Drug Administration - FDA. Industry Reminder: Labeling of Ethoxyquin in Animal Feed. 25 de maio de 2012. Disponível em:  http://www.fda.gov/AnimalVeterinary/NewsEvents/CVMUpdates/ucm305760.htm. Acesso em 04/04/2013.
FELIX, A.P., ZANATTA, C.P., BRITO, C.B.M., MURAKAMI, F.Y., FRANÇA, M.I., MAIORKA, A., FLEMMING, J.S.. Suplementação de mananoligossacarídeos (MOS) e uma mistura de aluminosilicatos na qualidade das fezes de cães adultos. Archives of veterinary science. v.14, n.1, p.31-35, 2009.
FELIX, A.P., NETTO, M.V.T., MURAKAMI, F.Y., BRITO, C.B.M., OLIVEIRA, S.G., MAIORKA, A. Digestibility and fecal characteristics of dogs fed Bacillus subtilis in diet. Ciência Rural, v.40, n.10, p.2169-2173, 2010a.
FELIX, A.P., MAIORKA, A., OLIVEIRA, S.G. Fatores que interferem no consumo de alimentos em cães e gatos. In: Vieira, S.L. Consumo e preferência alimentar dos animais domésticos. Phytobiotics: Londrina-PR, 1ed. 2010, p.162-199b.
FELIX, A.P., BRITO, C.B.M., ZANATTA, C.P., LIMA, D.C., OLIVEIRA, S.G., MAIORKA, A. Supplementation of fructooligosaccharides (FOS) on faecal characteristics of adult dogs. Archives of veterinary science. V.18, n.1, p.9-14, 2013a. 
Félix, A.P., Zanatta, C.P., Brito, C. B. M., Sá Fortes, C. M. L., Oliveira, S. G., Maiorka, A. Digestibility and metabolizable energy of raw soybeans manufactured with different processing treatments and fed to adult dogs and puppies. Journal of Animal Science, 2013b (no prelo de publicação).
FERREIRA, A.C.K. et al. O uso de aluminossilicato (Silvet®) como adjuvante na melhora do aspecto das fezes e desempenho das aves. Archives of Veterinary Science. v.10, n.1, p.117-122, 2005.
GHADBAN, G.S. Probiotics in Broiler production – a review. Arch. Geflugelk, v.66, n.2, p. 49-58, 2002.
German, A.J. The growing problem of obesit in dogs and cats. The Journal of Nutrition. V.136, p.1940S-1946S, 2006.
GROSS, K.L., BOLUNGER, R., THAWNGHMUNG, P., COLL1NGS, G.F. Effect of Three Different Preservative Systems on the Stability of Extruded Dog Food Subjected to Ambient and High Temperature Storage. The Journal of Nutrition, 124: 2638S-2642S, 1994.
Harrison PT. Propionic acid and the phenomenon of rodent forestomach tumorigenesis: a review. Food Chem Toxicol 1992;30:333-40.
Hazan, R.; Levine, A.; Abeliovich, H. Benzoic acid, a weak organic acid food preservative, exerts specific effects on intracellular membrane trafficking pathways in Saccharomyces cerevisiae. Appl. EnViron. Microbiol. 2004, 70, 4449-4457.
Heaton, P.R., Reed, C.F., Mann, S., Ransley, R., Stevenson, J., Charlton, C.J., Smith, B.H.E.,  Harper, E.J., Rawlings, J.M. Role of Dietary Antioxidants to Protect against DNA Damage in Adult Dogs. J. Nutr. 132: 1720S–1724S, 2002.
Hilton, J. W. (1989) Antioxidants: function, types and necessity of inclusion in pet foods. Can. Vet. J. 30: 682-684.
Kappus, H. (1991) Lipid peroxidation: mechanism and biological relevance. In: Free Radicals and Food Additives (Aruoma, O. I. &.Halliwell, B. eds.), pp. 59-75. Taylor & Francis, London, UK.
KIM, H.W.; CHEW, B.P.; WONG, T.S.; PARK, J.S.; WENG, B.B.C.; BYERNE, K.M.; HAYEK, M.G.; REINHART, G.A. Dietary lutein stimulates immune response in the canine. Veterinary Immunology and Immunopathology, v.74, p.315–327, 2000a.
KIM, H.W.; CHEW, B.P.; WONG, T.S.; PARK, J.S.; WENG, B.B.C.; BYERNE, K.M.; HAYEK, M.G.; REINHART, G.A. Modulation of humoral and cell-mediated immune responses by dietary lutein in cats. Veterinary Immunology and Immunopathology, v.73, p.331–341, 2000b.
Larsen, J. Oral products and dental disease. Compêndio Continuing Education for veterinarians. 2010, 3p. Disponível em: http://www.researchgate.net. Acesso em 15/04/2013.
Lowe, J.A. and Kershaw, S.J. (1997). The ameliorating effect of Yucca schidigera extract on canine and feline faecal aroma. Research in Veterinary Science 63, 61–66.
 McCarthy, G., O’Donovan, J, Jones, B., McAllister, E., Seed, M., Mooney, C. Randomised double-blind, positive-controlled trial to assess the efficacy of glucosamine/chondroitin sulfate for the treatment of dogs with osteoarthritis. The Veterinary Journal, v.174, p.54–61, 2007.
MAIA, G.V.C., SAAD, F.M.O.B., ROQUE, N.C., FRANÇA, J., LIMA, L.M.S., AQUINO, A.A. Zeólitas e Yucca schidigera em rações para cães: palatabilidade, digestibilidade e redução de odores fecais. Revista brasileira de Zootecnia. v39, n.11, 2442-2446, 2010.
Maier, E., Kurz, K., Jenny, M., Schennach, H.,Ueberall, F., Fuchs, D.  Food preservatives sodium benzoate and propionic acid and colorant curcumin suppress Th1-type immune response in vitro. Food and Chemical Toxicology, v.48, p. 1950-1956, 2010.
McGreevy PD, Thomson PC, Pride C, Fawcett A, Grassi T, Jones B. Prevalence of obesity in dogs examined by Australian veterinary practices and the risk factors involved. Vet Rec. 2005; 156:695–707.
MIDDELBOS, I.S. et al. A dose-response evaluation of spray dried yeast cell wall supplementation of diets fed to adult dogs: Effects on nutrient digestibility, immune indices and fecal microbial populations. Journal of Animal Science, v.85, p.3022-3032, 2007.
MILGRAM, N.W., HEAD, E., ZICKER, S.C., IKEDA-DOUGLAS, C., MURPHEY, H., MUGGENBERG, B.A., SIWAK, C.T., TAPP, P.D., LOWRY, S.R., COTMAN, C.W. Long-term treatment with antioxidants and a program of behavioral enrichment reduces age-dependent impairment in discrimination and reversal learning in beagle dogs. Experimental Gerontology 39 (2004) 753–765.  
NATIONAL RESEARCH COUNCIL – NRC. Nutrient Requirements of Dogs and cats. National Academy Press. Washington, 2006, 426p.
Nunes, E.A.; Rivera, N.L.M.; Maiorka, A.; Krabbe, E.L.; Fernandes, L.C. The effect of dietary supplementation with 9-cis:12-trans and 10-trans:12-cis conjugated linoleic acid (CLA) for nine months on serum cholesterol, lymphocyte proliferation and polymorphonuclear cells function in Beagle dogs. Research in Veterinary Science, v. 84, p. 62-67, 2007.
Oleszek W, Sitek M, Stochmal A, Piacente S, Pizza C & Cheeke P (2001) Steroidal saponins of Yucca schidigera Roezl. J. Agric. Food Chem. 49: 4392–4396.
PARK, Y.; PARIZA, M.W. Mechanisms of body fat modulation by conjugated linoleic acid (CLA). Food Research International, v.40, p.311-323, 2007.
Rangan, C., Barceloux, D. Food Additives and Sensitivities. In: Barceloux, D. Medical Toxicology of Natural Substances: Foods, Fungi, Medicinal Herbs, Toxic Plants, and Venomous Animals. Hoboken, NJ: John Wiley & Sons, 2008. p.22-33
Ratuld, A. 2007. Wet processing’s impact on palatability. In: SPF’S IInd AMERICA LATINA SYMPOSIUM, 2007. Proceedings of Spécialités Pet Food. p.5-7.
RIVERA, N.L.; FELIX, A.P.; FERREIRA, F.M.; FISCHER, A.V.; MAIORKA, A. Body measurements and serum lipid profile of overweight adult dogs fed diet with containing conjugated linoleic acid. Ciência Rural, v.41, p.2020-2025, 2011.